Um homem que se comunicava pelo silêncio. Palavras construídas em pensamento, e que ganharam o mundo através de seus escritos. Assim é o homem que faleceu em um hospital 17 anos depois de ter sido ali internado.
Uma vez alfabetizado, seu mutismo tornou-se intransponível. E sua internação alimentou-se de intensa leitura. Ao morrer, deixou um caderno com um rico relato de como vivera antes de ingressar no hospital.

 Aldeia do silêncio, de Frei Betto, é uma viagem pelo mundo interior de uma pessoa sem nome próprio, mas com identidade definida. Vivendo com seu avô, sua mãe, o cachorro e o urubu de estimação, esse personagem aprendeu a preencher com silêncio seu vazio interior.

Sua família vivia reclusa, longe de qualquer sinal de “civilização”. O isolamento também os libertava do controle do tempo. “Prescindíamos de relógio e calendário; ali o tempo desconhecia marcadores de ciclos e velocidade”, escreveu o personagem enquanto definhava no leito de hospital.

Mas a paz conquistada pelo isolamento não duraria para sempre. Mesmo resistindo por anos ao apelo do pai – que fora viver na cidade – para que deixasse aquele local considerado atrasado e miserável, o homem sem nome não pôde enfrentar a força dos estranhos que chegaram à aldeia e o exilaram de sua casa e de sua família, as únicas referências que conhecera por toda a vida.

Cultivando o silêncio, ele descobriu o poder da palavra. E também como a palavra é, todos os dias, maltratada e violentada. Parecia-lhe que as pessoas têm necessidade de falar, tagarelar, banalizar o uso do verbo, enquanto ele, desde criança, se deliciava com cada palavra aprendida de uma forma que ninguém jamais entenderia.

“Não é a boca que faz o silêncio, é o âmago do nosso ser (...) O verdadeiro silêncio cala o espírito e se traduz em paz interior, em inquietação d´alma, e a ninguém julga, nem a si mesmo”.

Em Aldeia do silêncio, Frei Betto convida o leitor a refletir sobre o mistério da linguagem e a inestimável riqueza do silêncio interior.

Livros

  • esperanca_.jpg
  • batismo_de_sangue_.jpg
  • minasdeouro_.jpg
  • mosca_azul_.jpg
  • paraiso_perdido.jpg
  • sinfonia_universal_.jpg
  • zproposta_dejesus_.jpg
  • conversa_sobrefe_.jpg
  • vencedor_.jpg
  • treze_contos_diabolicos_.jpg
  • tipicos_tipos_.jpg
  • obra_do_artista_.jpg
  • decalogo_.jpg
  • calendario_dopoder_.jpg
  • comer_como_um_frade_.jpg
  • hotel_brasil_.jpg
  • catacumbas_.jpg
  • 1deusmuitohumano.jpg
  • alucinado_.jpg
  • hotel_brasilfr_.jpg
  • zmulher_samaritana_.jpg
  • revinventa_vida.jpg
  • fome_deus_.jpg
  • comeco_meio_fim.jpg
  • ysaborosa_viagem_.jpg
  • yfogaozinho_.jpg
  • uala01_.jpg
  • zdois_irmaos_.jpg
  • avidameensinou_m_.jpg
  • lula_0.jpg
  • desafio_etico_.jpg
  • ymenina_eo_elefante_.jpg
  • aldeiadosilencio_.jpg
  • dialogos_criativos_.jpg
  • zmula_de_balaio_.jpg
  • diario_de_fernando_.jpg
  • zcomunhao_deamor_.jpg
  • hotel_br_uk_.jpg
  • homem_jesus_.jpg
  • semear_estrelas_.jpg
  • gosto_de_uva_.jpg
  • alfabetto_.jpg
  • dia_de_angelo_.jpg
  • as_oito_vias.jpg
  • zcomunidade_defe_.jpg
  • maricota01_.jpg