paraiso perdido

PARAÍSO PERDIDO - VIAGENS AO MUNDO SOCIALISTA é uma impactante radiografia de um sonho vivenciado por Frei Betto em dezenas de viagens por países socialistas ao longo de mais de três décadas (1979-2012).

Além de descrever seus diálogos com figuras ilustres da história, o autor detalha a queda do Muro de Berlim, os impasses e desafios da utopia socialista e a práxis da Teologia da Libertação. É o relato fiel do fim de um projeto político, o que, no entanto, não traz desesperança. Ao contrário: ajuda o leitor a resgatar a esperança em ummundo de justiça e paz, a partir da análise das contradições e das conquistas do socialismo, frente à atual realidade globocolonizada pela hegemonia capitalista.

Este livro é um diário de viagem por dentro de um mundo que já não existe: o socialismo real. Entre os anos de 1979 e 2012, Frei Betto an­dou pela China, Rússia, Letônia, Lituânia, Polônia, Tchecoslováquia, República Democrática da Ale­manha, Nicarágua sandinista e por Cuba.

É o emocionante relato de quem testemunhou, ao vivo, a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra Fria.

O autor não viajou como turista, jornalista ou simples espectador da história, e sim como alguém que interferiu diretamente em seu curso. Frei Betto assessorou os governos dos países citados em desa­fiadora missão: a reaproximação entre Estado e Igre­jas e o resgate da liberdade religiosa.

Tornou-se amigo de Fidel e Raúl Castro, este­ve com Gorbachev, Lech Walesa e Hugo Chávez, questionou o ateísmo comunista e demonstrou o caráter libertador da fé cristã.

Esta é uma obra histórica, na qual acontecimen­tos que deram origem à atual configuração do mun­do se mesclam a fatos e diálogos de bastidores que comprovam como atitudes humanas, aparentemen­te insignificantes, acabam por influir em decisões de governo e na cultura de um povo.

Frei Betto descreve ainda, no decorrer de suas viagens ao longo de três décadas, episódios curiosos de seus relacionamentos com Gabriel García Márquez e José Saramago, Lula e Oscar Niemeyer, Chico Buarque e Hélio Pellegrino, Daniel Ortega e Ernesto Cardenal, Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Pedro Casaldáliga, Leonardo Boff e tantos outros persona­gens que forjaram o mundo tal como é hoje.